"". Life of Cherry: 3º ano de Enfermagem !-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

17.7.18

3º ano de Enfermagem


Eu já devia ter escrito esta publicação há imenso tempo, logo após o final do semestre, mas estava tão exausta nessa altura que não me apetecia falar sobre a faculdade. E agora estou a sentir-me mal por falar do curso em pleno do julho. EM PLENO JULHO! Isto é sequer legal? Não sei, mas eu não queria ser aquele tipo de pessoa chata que fala sobre a universidade nas férias de verão. Mas vai ter que ser. Prometo que depois desta publicação só voltamos a falar de universidade em setembro. Isto é para o bem dos caloiros (ou dos estudantes de Enfermagem que me estão a ler). 

Todos os semestres debato-me sempre com o dilema se devo ou não continuar a escrever estas publicações, em que falo sobre as cadeiras da universidade e dou o meu feedback. Sinto que são muito aborrecidas para a maior parte dos leitores deste blog (principalmente para aqueles que já estão no mundo do trabalho). Contudo, quando recebo e-mails a pedirem-me informações sobre o meu curso, lembro-me da razão pela qual comecei a escrever sobre a minha experiência e acabo sempre por fazê-lo. Se ajudar uma pessoa a decidir o seu curso ou, no caso de estar em Enfermagem, a saber como estudar, já valeu a pena. Para não ser tão chato e por razões que já expliquei aqui, decidi que, a partir de agora, só sairá uma publicação destas uma vez por ano em vez de ser uma vez por semestre.

Bem, falando deste ano. O 3º ano de Enfermagem, tal como eu suspeitava, foi o meu ano favorito. Foi o ano de especialidades, em que tive oportunidade de estudar e estagiar em especialidades como Obstretícia, Pediatria e Psiquiatria. No geral, eu achei um ano bastante tranquilo. Foi muito trabalhoso (não esperava o contrário com 6 cadeiras), mas fez-se bastante bem. A nível de estágios, a maior parte deles não são assim muito exigentes (o que por um lado é mau, porque depois no 4º ano vai custar mais a retomar o ritmo). Boas notícias para quem gastou muito dinheiro no 2º ano: quase todos os estágios são em Braga. Para ser possível os quase 100 alunos de Enfermagem estagiarem no Hospital de Braga, passamos pelos serviços em alturas diferentes. Por exemplo, enquanto uns estão a estagiar em Psiquiatria outros estão a estagiar em Pediatria.

Aquilo que os meus Doutores me diziam confirma-se: o 2º ano é mesmo o pior ano do curso. Se sobreviverem ao 2º ano, fazem o resto do curso na boa.

Bem, este semestre, tal como já disse, tive 6 cadeiras: Enfermagem de Saúde da Mulher, Enfermagem de Saúde da Criança e do Adolescente, Investigação em Enfermagem, Enfermagem de Saúde Comunitária I, Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica I e as opções. Isto pareceu-vos uma lenga-lenga? Não se preocupem, eu explico melhor em baixo. 

(Notas:Tal como reforço sempre que falo sobre o meu curso, a minha experiência pode não ser igual à de outros estudantes de Enfermagem. Esta é a minha experiência relativamente ao curso de Enfermagem da Universidade do Minho. Vou falar dos estágios muito no geral, porque todos os alunos têm uma experiência diferente, e não vou falar de trabalhos escritos, porque estes, muitas vezes, são diferentes consoante o professor.)


Enfermagem de Saúde da Mulher


Enfermagem de Saúde da Mulher foi a minha unidade curricular favorita do ano, tanto a nível teórico como a nível prático. Era algo que eu queria mesmo estudar desde que entrei no curso e correspondeu às minhas expetativas. Foi o meu grande amor. 

Nesta cadeira, foram abordados todos os assuntos relativamente à mulher em todas as suas fases da mulher: ginecologia, gravidez, puerpério, menopausa e climatério. Claro que a minha parte favorita foi a gravidez. Como não adorar a história do início da vida? Muito do que foi abordado nas aulas é interessante não só para nós, futuros enfermeiros, como para nós, mulheres, para sabermos de cuidar de nós próprias e até para os homens, para poderem acompanhar as suas parceiras. Se estudarem, é muito fácil de tirar boas notas nas frequências. 

Esta foi a única cadeira deste ano que teve aulas práticas. Estejam descansados, não existem exames práticos às carradas como aqueles que tivemos o ano passado. São duas aulas, para aprenderem as principais técnicas que vão executar no estágio de Obstetrícia: cuidados de higiene ao Recém-Nascido e Cuidados Perineais à Puérpera.

Relativamente ao estágio, para mim, foi o sonho! Eu tinha medo de estar com as expetativas demasiado elevadas para este ensino clínico e, depois, revelar-se ser muito diferente do que imaginava, mas gostei muito. Aliás, foi muito refrescante poder estar a cuidar dos bebés e dos seus pais, a promover a sua saúde, em vez de estar a lidar com a doença, tal como já estamos habituados nos outros estágios. Um dos receios da maior parte dos alunos (e que foi o meu, também) era não conseguir dar banho aos bebés. Em primeiro lugar, tínhamos que estar a ser observados pelos pais (que, se já fosse o segundo filho, nos iriam estar a observar cuidadosamente para ver se fazíamos tudo bem) e pelo enfermeiro orientador. Socorro! Em segundo lugar, um recém-nascido é um ser tão frágil que temos medo de o magoar, de o apertar com demasiada força ou, pesadelo dos pesadelos, deixá-lo cair.  Porém, asseguro-vos que, quando sabem bem a técnica e fazem-na uma primeira vez, todas as outras vezes são canja. Se gostarem da área, este ensino clínico é o paraíso, se não vos atrair muito, tolera-se bem, são só quatro semanas (aliás, todos os estágios que vou falar aqui têm a curta duração de quatro semanas). 

Enfermagem de Saúde da Criança e do Adolescente


Esta cadeira é muito exigente, é muito duro estudar toda a matéria, mas vale a pena, porque é muito interessante. Aqui aprendemos tudo relativamente à saúde infantil e juvenil. Tudo, tudinho, desde bebés até adolescentes. Também são dadas as patologias mais comuns na infância, a dor na criança (uma parte muito importante, uma vez que as crianças lidam com a dor de forma diferente dos adultos), psicologia e parceria de cuidados em pediatria (algo em que todos os professores insistiram muito e, depois de  estagiarmos em Pediatria, percebemos porquê). 

O ensino clínico em Pediatria foi o mais exigente. Todos os estágios foram bastante tranquilos menos este. Este exigiu muito  mais estudo (têm que estudar todos os dias, medicação, as doenças com que se vão deparando... Os orientadores aqui não facilitam, têm que saber muito bem tudo relativamente aos vossos doentes e a todas as intervenções que fazem), toda a nossa capacidade de pensamento e raciocínio crítico e muitas capacidades comunicacionais. Foi o meu último estágio do ano, mas gostava que tivesse sido o meu primeiro, porque sinto que teria tido energia para aprender muito mais. Ainda assim, foi muito enriquecedor. Puxaram imenso por mim e fizeram-me adquirir competências que eu, por mim própria, não saberia explorar. 


Investigação em Enfermagem


Meus amigos, muito cuidado com esta cadeira. Este é o cadeirão do 3º ano. Realcem bem isto na vossa cabeça. 

Tal como o próprio nome indica, Investigação em Enfermagem aborda todo o processo para fazermos um estudo em Enfermagem. Que tipos de estudos existem, como os fazer, como podem ser validados, quais os tipos de variações que existem, quais os tipos de hipóteses que existem... 

A  primeira parte da cadeira são, essencialmente, aulas teóricas, com um ou dois trabalhos de grupo pelo meio. Já na segunda parte de Investigação, vão ter uma componente mais prática, em que vai ser abordada Bioestatística . Para este módulo, vão precisar de levar o computador para a faculdade todos os dias, e vão ter que instalar um programa chamado de SPSS (que não precisam de se preocupar em instalar, porque vai ser instalado por um Engenheiro da Universidade do Minho aquando destas aulas, numa marcação feita conforme a vossa disponibilidade). 

Não pensem que esta vai ser daquelas cadeiras em que podem faltar a metade das aulas e, ainda assim, passar. Têm que ir às aulas todas e estar com o máximo de atenção para conseguir acompanhar senão, esqueçam, depressa perdem-se.  Confesso, eu fui a todas as aulas e, ao início, não consegui acompanhar a matéria. A professora expunha os exercícios que tínhamos que fazer, e eu parecia que estava a ler chinês. Eu simplesmente não conseguia chegar lá. Eventualmente, tive que vencer a minha timidez e levantar o dedo (eu nunca levanto o dedo para nada, dá para ver o desespero?) e dizer à professora um muito honesto  "Não estou a perceber nada, pode-me explicar outra vez?". Após esta explicação (que, devo dizer, foi milagrosa), passei de uma naba que odiava a cadeira a dominar aquilo e até a divertir-me ao estudar a matéria. 

Guardem muito bem os conhecimentos que adquirem nesta unidade curricular  porque vão precisar deles para Investigação do 4º ano, em que vão ter mesmo que fazer estudo (scary, I know,mas não pensemos nisso já).

Enfermagem de Saúde Comunitária I


Saúde Comunitária é muito mais interessante na prática do que na teórica. Mas a matéria tem que ser dada, e é um esforço que temos que fazer para poder estagiar na área. 

O primeiro módulo diz respeito, essencialmente, à reorganização dos cuidados de saúde primários (uma matéria muito chatinha de estudar), à família como foco dos cuidados de saúde primários, à saúde escolar e ao Plano Nacional de Vacinação. O Plano Nacional de Vacinação é, sem dúvida, a matéria mais importante deste módulo. É fundamental que o dominem muito bem o PNV, porque vão precisar dele não só para o Centro de Saúde, como para Obstetrícia e Pediatria. 

O segundo módulo é um pouco mais cultura geral. É sobre a abordagem epidemiológica dos centros de saúde e os vários programas que são desenvolvidos pelo SNS e Se estiveram atentos no estágio de 1º ano de Centro de Saúde, já estarão familiarizados com muitos dos assuntos que serão abordados aqui.

O ensino clínico é, naturalmente, num centro de saúde, uma experiência que, apesar do estágio do 1º ano, é diferente, porque desta vez vão poder participar mais ativamente, não estarão a trabalhar numa componente de observação participada (com sorte, poderão até dar algumas consultas, com a supervisão do vosso enfermeiro orientador, claro). A maior parte dos alunos prefere estagiar em hospitais, "ah e tal, só se dá consultas, que seca!" mas, na minha opinião, eu acho que os centros de saúde são uma grande oportunidade de aprendizagem. É a única área onde podemos acompanhar a pessoa em todo o ciclo de vida, desde nascer até morrer. Não vemos isto em mais área nenhuma, nos hospitais está sempre tudo dividido em serviços específicos (Cardiologia, Pediatria...). Além disso, temos oportunidade de executar muitas técnicas (nomeadamente a técnica de pensos. Em centro de saúde, fazem-se imensos pensos) e de realizar visitas domiciliárias (que é bastante interessante, porque dá para perceber todo o contexto socioeconómico e emocional de uma pessoa). Uma particularidade deste estágio é que têm que estudar um pouco de tudo. Não podem recorrer apenas à gavetinha "saúde da criança" ou à gavetinha "pensos", têm que ter todas as vossas gavetas da cabeça prontas para qualquer tipo de pessoa que vos apareça. É dada mais importância à saúde da mulher e da criança e ao PNV, mas acabam por ter que saber um pouco de tudo.


Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica


Psiquiatria foi, a seguir a Enfermagem da Saúde da Mulher, a minha unidade curricular favorita. Não se deixem enganar pelo nome da cadeira, esta é muito centrada em patologias e não tanto na promoção da saúde mental. Estudar as patologias psiquiátricas todas foi fascinante e intrigante, assim de uma forma sombria. Existe uma quantidade absurda de doenças que podem afetar uma pessoa de maneiras que nem imaginamos e, muitas das quais, podem passar despercebidas aos olhos mais inexperientes. A saúde mental foi sempre algo que considerei aliciante e, portanto, nem cheguei a sentir o cansaço nas horas que dediquei a estudar para as frequências. 

No que diz respeito ao ensino clínico, este é um estágio que ou adoram ou odeiam. Claro que isso também vai depender do sítio onde calham. Nos serviços de Psiquiatria são permitidas menos estagiários por serviço, pelo que existiram alunos que não estagiaram no Hospital de Braga, e calharam em outros sítios que ora tinham doentes com casos de doença mais agudos ou mais crónicos (e lidar com doentes com doenças psiquiátricas agudas é muito diferente do que lidar com aqueles que têm doenças crónicas). Este estágio vai parecer muito parado, vai parecer que não se faz nada. Não existem técnicas, a medicação é praticamente toda oral e nem existem as rotinas habituais como os cuidados de higiene porque, à partida, todos os doentes lá internados conseguem tomar banho sozinhos. Podem ter a sensação que de são inúteis, que não estão a fazer lá nada . Contudo, isso não é bem assim, não se vocês não quiserem. Como nos disse um doss  orientadores no início do estágio, são vocês que decidem o que vão fazer deste estágio. Psiquiatria pode não ser técnicas, mas é muita interação com os doentes, muita capacidade de comunicação e, muita, muita, observação. Nem tudo o que parece é. Podem achar que um doente está melhor ou que o diagnóstico que está no seu processo não se adequa a ele, mas têm que saber ler nas entrelinhas, pensar que o doente não vos transmite tudo ou que vos pode "enganar" (muitas são as pessoas que tentam esconder a sua doença) e têm que estar atentos a todos os sinais e sintomas. Se bem aproveitado, pode ser muito interessante. Eu adorei estagiar neste serviço, desenvolveu imenso as minhas capacidades de comunicação e de observação.

Cadeiras de opção


A partir do 3º ano, o plano de estudos de Enfermagem traz-nos uma novidades: as cadeiras de opção. As cadeiras de opção do 3º ano são apenas duas: Crianças e Adolescentes com Necessidades Especiais e Oncologia e Cuidados Paliativos.

Na primeira opção, vão estagiar na área de Oncologia, tanto em serviços de Oncologia dos hospitais como hospitais de dia. É, basicamente, um ensino clínico normal como àqueles que já são habituais no nosso curso. Têm doentes atribuídos, são responsáveis por todas as intervenções que fazem aos mesmos e toda a medicação que lhes administram e têm que elaborar planos de cuidados. A desvantagem desta opção são os locais de estágio: são poucos os alunos que ficam em Braga, a maior parte vai para cidades como o Porto e Lisboa, o que pode exige custos extra em transportes e alojamento. 

Na segunda opção, vão lidar com crianças e adolescentes com necessidades especiais e estarão a estagiar em escolas. Este ensino clínico é mais em regime de observação participada, uma vez que são os educadores e professores que estão responsáveis por cuidar destas crianças e jovens. Contudo, podem participar em tudo aquilo que vos for permitido, interagir com as crianças e adolescentes e desenvolver atividades com eles se tal se proporcionar e for permitido.

Eu escolhi a segunda opção sem hesitar. No segundo ano já estagiei em Oncologia e não gostei muito, mas mesmo que tivesse gostado já tinha tido a possibilidade de conhecer o serviço. Por outro lado, trabalhar com crianças e adolescentes com necessidades especiais é algo que nunca tive oportunidade de fazer e era, provavelmente, a minha única oportunidade para o fazer. Não teria mais nenhum estágio nesta área até ao final do curso, e tenho a certeza que me iria arrepender bastante se não escolhesse esta opção. Portanto, escolhi esta opção e foi a mais acertada para mim, sem dúvida alguma, foi uma experiência muito enriquecedora.


Ética


Não, isto não é uma cadeira, é uma particularidade que todas as cadeiras tiveram e que eu achei importante realçar. No início ou no fim de cada unidade curricular, existiu sempre um módulo dedicado a Ética. Há quem ache este ramo de filosofia aborrecido, mas eu achei que foi muito relevante tendo em conta que Enfermagem é uma ciência humana. Todas as aulas foram muito curtas mas penso que nos deram as ferramentas fundamentais para nos tornarmos profissionais de saúde mais conscientes e responsáveis na nossa tomada de decisão. 


E, pronto, aqui ficou mais uma retrospetiva do meu semestre. Por curiosidade quem é que daqui está a pensar em ir para Enfermagem ou está em Enfermagem (não necessariamente na minha universidade)? Acusem-se nos comentários. 

29 comentários:

  1. Parabéns e boa sorte ;) a área da saúde é uma área bonita mas muito difícil...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada :). É difícil, mas tudo o que vale a pena o é.

      Eliminar
  2. Perante esta publicação só consigo pensar: COMO ASSIM 3º ANO?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo! Estou quase a acabar, isto passou mesmo a voar :0 !

      Eliminar
  3. Estas publicações são sempre úteis, na minha opinião. Porque permitem conhecer melhor a realidade de um curso (quer para quem está a pensar segui-lo, quer para quem é de uma área diferente, como é o meu caso) e porque lhe atribuem um lado mais pessoal. Claro que as experiências acabam por ser distintas, mas dá sempre para ter uma ideia do que se pode esperar. Consequentemente, também possibilita esclarecer certas dúvidas.
    Gostei muito de ler sobre a tua experiência!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também é muito interessante para quem está noutras áreas conhecer a nossa :). É por isso mesmo que eu faço estas publicações, para dar ao curso um lado mais pessoal. Um plano de estudos traduz muito pouco a realidade.
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Eu acho interessante observar perspectivas tão diferentes, daí gostar desta publicação. Entendo fazer um review do curso que agora finalizei. Ainda me estou a decidir no formato para não ser muito exaustiva.
    Sugestões?

    JU VIBES | @itsjuvibes ❤

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não quiseres que fique tão exaustivo, podes fazer uma série de publicações, cada uma com um tema específico sobre o curso :).

      Eliminar
  5. enfermagem de saúde mental e psiquiátrica parece tão tão tão interessante! e é como disseste: é um estágio que se torna no que o quiseres tornar e apreendes dele o que quiseres apreender. deve ser tão desafiante mas bom :)

    r: yaaay! obrigada!

    ResponderEliminar
  6. Sim o post é extensivo mas acho que pode ajudar alguém que esteja a pensar ingressar em enfermagem por isso acho bom que o faças...
    Acho enfermagem um mundo fascinante e são uma parte essencial dos cuidados de saúde, por vezes pouco valorizados... Após o parto da Bia e durante (foi cesariana) tivemos a mesma enfermeira de dia e eu adorei-a, tirámos foto com ela antes de ir embora e tudo e ela quase chorou (assim como eu mas eu tinha a desculpa das hormonas). Todas foram impecáveis e via-se o amor que têm pelo que fazem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que foste acompanhada por uma grande enfermeira :). São pessoas como ela que fazem justiça à farda branca :).

      Eliminar
  7. Bom dia. Muito bem!Se existem trabalhos no qual muito respeito é o de Enfermagem, seja a especialidade que for. Desejo-te toda a sorte do mundo.

    Hoje:-Das cartas que eu nunca te enviei.

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta-Feira.

    ResponderEliminar
  8. Gostei muito deste teu post,...obrigada pela partilha!
    Beijinhos,
    Espero por ti em:
    strawberrycandymoreira.blogspot.pt
    http://www.facebook.com/omeurefugioculinario
    https://www.instagram.com/marysolianimoreira/

    ResponderEliminar
  9. O tempo passa mesmo a voar! Parabéns por mais este semestre! :D

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  10. One question: vais fazer mestrado ou é só a licenciatura?

    Como já disseram e bem, este tipo de posts é muito útil pois muitos de nós, que estamos do lado de fora, não percebemos muito bem a área da enfermagem, ou seja, temos uma ideia mas às vezes essa ideia está errada ou não tão certa. Por isso, falares sobre isto acaba por ser um excelente post informativo não só para quem pretende seguir enfermagem ou mesmo para quem está noutra área e que tem uma certa curiosidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A nossa licenciatura não tem mestrado integrado, temos que fazer à parte mas, na minha opinião, não tem interesse fazer logo a seguir à licenciatura. Aprendemos muito mais quando já temos alguma experiência profissional :).

      Eliminar
  11. Gosto muito de ler este tipo de posts... apesar de estar numa área muito diferente (Economia), acho curioso saber mais de outros cursos.

    http://cidadadomundodesconhecido.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  12. Muitos parabéns pela conclusão do 3º ano.
    Confesso que estava a ver se te conhecia. Este ano participei no dia do melhor aluno da escola de enfermagem e estavam lá alguns colegas teus do 3º a acompanhar os alunos do secundário que estavam a escolher a visitar a universidade.
    Gostei muito do ambiente da escola e do grupo de trabalho que me convidou a lá ir. Não sou enfermeira, sou da psicologia. Mas estou a fazer um doutoramento que toca os cuidados de saúde.
    Tudo de bom para ti. Pelo que descreveste aqui, tens disciplinas muito interessantes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada :).
      Não sabia que estiveste pelos meus lados :). Não estive nesse dia, portanto não me ias ver de certeza xD. Temos, de facto, um ambiente académico muito bom, gosto muito de lá andar.

      Eliminar
  13. Eu acho estas publicações muito úteis, mesmo estando num curso diferente do teu, ainda assim ligado à saúde.
    É interessante conhecer as tuas perspetivas sobre as várias cadeiras e estágios e aprendemos sempre qualquer coisa ao ler-te :)

    ResponderEliminar
  14. Gosto muito de ler estas publicações sobre Enfermagem, continua a fazê-las! Por mim podias fazer ainda mais, também estou neste curso e adoro ler as tuas experiências!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, fico feliz por achá-las úteis :). Vou pensar nisso, se quiseres dar sugestões, são muito bem vindas :).
      Muito sucesso no teu curso.

      Eliminar
  15. Enfermagem foi o que me fez começar a ler este blogue e para mim a parte mais interessante...
    É sempre bom ler outras experiências e há tão pouca gente em enfermagem a fazer isto, não pares !!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada por este feedback positivo :). Vou ter em consideração o teu comentário, e já tenho mais ideias que vos poderão ajudar.

      Eliminar
  16. Estou a ver que o programa em Braga é bem diferente do do Porto! No 1º e 2º ano só temos cadeiras teórias e tp/pl, onde aprendemos todos os procedimentos e matéria (desde o banho do RN, coto, punção venosa, algaliação, oxigenoterapia, etc) e no 3º e 4º ano é estágio desde o início ao fim, sendo que os estágios mais curtos têm a duração de 5 semanas e os mais longos de 10. Eu tive que repetir o estágio de cirurgia agora no 4º ano e não pude ter melhor escolha - tive oportunidade de estagiar em bloco operatório, coisa que adorei :)
    Do 4º ano, os estágios que gostei mais foram sem dúvida a pediatria (estive numa pediatria cirúrgica!) e a pedopsiquiatria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo que falo com os meus colegas de outras faculdades, é mesmo! Só têm estágios a partir daí, nenhuma cadeira teórica?
      Uau, tiveste oportunidade de estagiar em pedopsiquiatria? Eu adorava, mas infelizmente a minha faculdade não oferece essa oportunidade.

      Eliminar
  17. Sim, no 3 e 4 ano é estágio de setembro a fim de julho e nenhuma cadeira teórica. Temos sim de fazer um estudo de caso, mas todas temos uma aula para apresentação, realização e discussão do caso.
    Sim, psiquiatria fazemos sempre no HML mas conseguiram abrir o serviço de pedo que faz parte do CMIN/CHP porque tem as instalações lá no Magalhães Lemos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso deve ser muito cansativo. Por um lado é bom porque têm muitas oportunidades para aprender e, no final do curso,têm muita mais experiência. Mas por outro lado não consigo imaginar o que é ter a pressão de ser estagiario o ano todo, para além de termos muito contacto com os nossos amigos de curso.
      Fazem noites logo desde o início ou só no quarto ano?

      Eliminar