"". Life of Cherry: Os introvertidos também podem ser bons enfermeiros? !-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

26.9.18

Os introvertidos também podem ser bons enfermeiros?

 Os introvertidos também podem ser bons enfermeiros?

Enfermagem é das profissões com mais interação social. Aquilo que seria lógico é que as pessoas que se metem no curso fossem as mais extrovertidas. É por isso que muitos ficam confusos quando eu lhes digo que estudo em Enfermagem. Não o dizem, mas eu sei o que pensam "Meu Deus, ela é tão introvertida, como é que ela quer ser enfermeira?!". Até já cheguei a receber comentários no meu blog acerca disso.

Há a ideia que os introvertidos têm menos competências sociais, por não gostarem tanto de interagir e de preferirem passar todo o tempo sozinhos. Isso não é necessariamente verdade. Nós, introvertidos, gostamos mais de nos conectar com grupos menores de pessoas do que, por exemplo, ser o centro das atenções numa grande festa, e depois preferimos recarregar baterias sozinhos em vez de procurar mais interação social. Isso não faz de nós pessoas com menos competências sociais, apenas significa que socializamos de modo diferente. 

Confesso que foi algo que me debati durante o curso. Durante algum tempo, acreditei mesmo nisso, que estava numa profissão feita para extrovertidos, e que talvez eu não tivesse lugar ali. Porém, à medida que fui fazendo diversos estágios, ganhando experiência e observando os mais variados enfermeiros, percebi que, nesta profissão, existem lugares para todos os tipos de personalidades. Aquilo que é preciso saber é valorizarmo-nos a nós mesmos e arranjar uma forma de fazer com que os nossos traços de personalidade resultem com as exigências da profissão. Aqui estão alguns dos traços de personalidade que podem ser o ponto forte dos enfermeiros introvertidos.


1. Bons ouvintes: Os introvertidos são, regra geral, bons ouvintes, prestando mais atenção não só  à comunicação verbal, como à linguagem não verbal que até pode revelar muito mais do que aquilo que é dito oralmente e que pode dar informações essenciais para poder melhorar os cuidados de um paciente. Às vezes, o simples facto de nos disponibilizarmos para ouvir um paciente torna-se em algo terapêutico para ele.

2. Mais observadores: Quando temos uma forma de estar mais sossegada, não estamos tão concentrados em interagir a toda a hora e isso permite-nos observar melhor o ambiente que nos rodeia. E todas as pessoas que trabalham na área da saúde sabem o quão ser bom observador é importante. No curso de Enfermagem, é algo que ouvimos a toda a hora "observem, observem, observem...". Os introvertidos têm mais capacidade de observar o ambiente que rodeia um paciente e o modo como este afeta a sua saúde, as relações sociais em que ele se apoia, mudanças subtis no seu estado de saúde ou mesmo o que pode estar por detrás das suas mudanças de humor.

3. Trabalham melhor em equipa: Aposto que este é um ponto inesperado para muitos de vocês. Os introvertidos são vistos, frequentemente, como pessoas antissociais e que, portanto, odeiam trabalhar com outras pessoas, preferiam fazer tudo sozinhos. Mas, na verdade, os enfermeiros introvertidos trabalham melhor em equipa. Como não gostam de ser o centro das atenções, não se importam nada de colaborar com os outros enfermeiros e não estarem em papéis de liderança. Podem não ser os membros da equipa com uma presença mais forte, mas são bastante eficazes.

4. A sua presença conforta os pacientes e as suas famílias: Eu acredito que as personalidades das pessoas transmitem energias diferentes, que passam para os outros. Falando neste caso específico, eu considero que os extrovertidos têm uma energia mais vibrante e barulhenta, digamos, enquanto que os introvertidos têm uma energia mais calma e relaxante. Se, por um lado, a presença de um extrovertido pode animar as pessoas, por outro lado a presença de um introvertido pode relaxá-los em momentos stressantes.

5. A preferência por conversas mais profundas: Os introvertidos são conhecidos por odiarem conversas de circunstância. Morremos um bocadinho por dentro de cada vez que temos que fazê-las. Sabemos que, por vezes, são necessárias para quebrar o gelo, mas não as prolongamos por mais tempo que o necessário. Optamos sempre por conversas mais profundas, que nos permitam estabelecer uma conexão real com uma pessoa. Em Enfermagem, este traço de personalidade é útil para estabelecer uma relação terapêutica mais forte com os pacientes e ganhar mais a sua confiança.


Qual é a vossa opinião? Acham que os introvertidos dão bons enfermeiros?

13 comentários:

  1. A enfermagem nada tem a ver com o nível de extroversão da pessoa. Uma pessoa calma e ponderada pode transmitir muito mais confiança, já para não falarmos que as competências técnicas em nada correspondem ao caracter comunicativo de cada um. Boa sorte na futura profissão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Demorei algum tempo a perceber isso, mas agora acredito mesmo nisso!
      Obrigada :).

      Eliminar
  2. Há uma ideia que transmites que, para mim, é fundamental: não é por as pessoas serem mais introvertidas que são menos competentes. E isso aplica-se a qualquer profissão. Agora, claro que algumas nos expõem mais do que outras e, consequentemente, sentimo-nos mais à prova. Mas os nossos conhecimentos e a nossa forma de agir não ficará comprometida só porque socializamos com menos expansão.
    Mesmo não sendo de Enfermagem, senti estas questões na pele. Enquanto Educadora, inevitavelmente, sou o centro da atenção, por ser figura de referência - principalmente, para as crianças. Mas depois há o lado dos pais. E tudo isso pode ser assustador. No entanto, acredito, que acabamos por desenvolver mecanismos que nos permitem contornar esta condição

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existem profissões que exigem mais capacidade de comunicação que outras mas sim, a maior parte delas metem-nos à prova neste sentido.
      Educadora também é uma profissão dita para os extrovertidos e no teu comentário é mais uma prova de que os introvertidos também podem ser bons nessa área. É, é um processo de aprendizagem que temos que enfrentar, sobretudo num mundo que está feito para os extrovertidos, mas todos nós acabamos por encontrar mecanismos para nos adaptarmos.
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Penso que ambas já conversamos sobre esse tema da timidez e de como ambas sofremos com isso. Também escolhi um curso "para extrovertidos" - jornalismo e comunicação - e quando entrei na universidade (há um ano) repudiava qualquer tipo de contacto que me forçasse a sair da minha zona de conforto. No que diz respeito a enfermagem, não sei muito sobre o assunto, mas no meu caso tive de adaptar imenso a minha personalidade às minhas opções de carreira! Nestes últimos 12 meses é uma loucura os progressos que já fiz, como já me sentir à vontade em ter alguns olhos postos em mim (e ganhei coragem para partilhar o meu blog com pessoas que conhecia pessoalmente), já não ter medo de bater o pé quando alguém tenta ser menos simpático comigo e simplesmente deixar de me preocupar com o que os outros pensam, porque, de alguma maneira que ainda não tenho bem a certeza, percorri um caminho que me fez confiar em mim e, por isso, não precisar de qualquer tipo de validação dos outros. Isto tudo para dizer que na vida não somos estáticos e nos conseguimos adaptar a qualquer coisa, basta querermos!
    E tenho a certeza que vais ser uma enfermeira do caraças! ❤

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou te dizer uma coisa, se já consguiste evoluir dessa forma em 12 meses, nem consigo imaginar no final do curso, vais ser espetacular na tua área! Eu demorei três anos a aprender todas essas coisas.
      Acho que não é apenas o curso que nos faz crescer desta forma (embora no nosso caso os nossos cursos tenham tido uma grande influência), acho que o próprio ambiente universitário noz faz "sair da casca" e ser menos tímidas.
      Obrigada <3.

      Eliminar
  4. Beijinhos,
    Espero por ti em:
    strawberrycandymoreira.blogspot.pt
    http://www.facebook.com/omeurefugioculinario
    https://www.instagram.com/marysolianimoreira/

    ResponderEliminar
  5. É certo que existem profissões que exigem mais comunicação da nossa parte, no entanto, não acredito que não possamos ser bons profissionais tendo por base o facto de sermos mais ou menos faladores. Mas percebo o teu receio inicial e quanto isso te podia assustar, pelo que as pessoas dizem e fazem, é normal que te sentisses com medo. Ainda bem que percebeste que não é bem assim, com o tempo vamos aprendendo que todos temos pontos fortes, mesmo aqueles que as pessoas tem a mania de dizer serem fracos são surpreendentes quando aproveitados e adaptados a todas as circunstâncias. Vamo-nos adaptando e isso é fundamental! Tenho a certeza que com a tua dedicação e com a paixão pela tua futura profissão serás uma ótima enfermeira e nunca serás menos competente do que uma pessoa dita extrovertida :)
    Continua assim, a acreditar sempre nas tuas capacidades e olha que são muitas <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, frequentemente avaliamos os profissionais por esse parâmetro e a sua competência é avaliada por muito mais do que apenas esse aspeto muito influenciado pela nossa personalidade.
      Muito obrigada por esse incentivo <3.

      Eliminar
  6. Não podia concordar mais! Por experiência própria já presenciei alguns professores criticarem alunos por serem introvertidos. Não podia discordar mais! Acho que as pessoas que são mais introvertidas são os melhores ouvintes que alguém pode ter e, na maior parte das vezes, o outro necessita apenas de alguém que o ouça - algo raro na nossa sociedade!
    Beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho uma publicação própria a falar da relação entre os professores e os estudantes introvertidos. Eu própria também já presenciei, aliás já senti isso na pele diversas vezes.
      Beijinhos

      Eliminar