"". Life of Cherry: 7 coisas com que precisas de te parar de preocupar numa ida ao ginecologista !-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

9.10.17

7 coisas com que precisas de te parar de preocupar numa ida ao ginecologista

 7 coisas com que precisas de te parar de preocupar numa ida ao ginecologista

A ideia de marcar uma ida ao ginecologista não é a coisa mais entusiasmante na nossa lista de tarefas. Mas é necessária, e muito importante para a nossa saúde e bem estar. Para muitas mulheres, uma ida ao ginecologista ainda significa vergonha e momentos constrangedores, mas não tem que ser assim. Afinal, os médicos estão ali para nos examinarem, garantirem a nossa saúde e esclarecer as nossas dúvidas. Temos que ter à vontade com o nosso ginecologista para isso. Se não temos, significa que estamos no consultório errado, ou então que temos demasiadas coisas na nossa cabeça a preocuparmo-nos ( como estas ahahahah, quem nunca?)

Como aluna de Enfermagem, já tive a oportunidade de estar trabalhar com médicos, e perceber realmente quais são os seus verdadeiros objetivos. Acho que, se toda a gente tivesse esta experiência, teria muitos menos preconceitos e crenças.


1. Depilares-te antes de ires para uma consulta: Os ginecologistas já viram, literalmente, de tudo. Portanto, escusas de estar aí a depilar as pernas ou a remover os pêlos púbicos só por causa de uma consulta médica. Os médicos não querem realmente saber. Eu, nos meus estágios, já vi muitos pacientes nus, e também não estava nem para aí virada. Os médicos estão mais preocupados com a saúde dos pacientes, em fazer os exames corretamente e em fazer perguntas que levem a diagnósticos corretos. Portanto, escusas de estar a arranjar-te para ir ao ginecologista, a pintar as unhas dos pés ou sabe-se mais o quê, como se de um encontro se tratasse.

2. Ires à consulta com menstruação: Ao contrário do que muitas mulheres pensam, não é preciso faltar a uma consulta no ginecologista por causa da menstruação. Muitas vezes, marcas esta consulta com meses de antecedência, portanto não tens maneira de adivinhar que o teu período ia aparecer mesmo naquele preciso dia. No entanto, não é razão para faltares. Os ginecologistas também estão habituados a lidar com sangue. A única coisa que precisas de ter em mente é a possibilidade de teres que voltar lá, uma vez que o sangue afeta alguns exames e pode dar falsos positivos.

3. Teres de dizer a tua orientação sexual:  O teu ginecologista não te pergunta isto para te julgar. Pergunta isto apenas para te dar a informação correta e adequada a ti. Não vão estar a perder tempo a falar de gravidez se as tuas probabilidades de engravidar forem nulas.

4. Teres de dizer o teu número de parceiros sexuais: O teu ginecologista também não te julga por causa do número de parceiros sexuais que já tiveste.Só te pergunta isto para saber as tuas hipóteses de vir a contrair uma DST. Quantos mais parceiros sexuais tiveres, maior é esse risco.

5. Teres de dizer se usas tampão ou penso higiénico: Os médicos não querem saber se usas tampão ou penso higiénico, só precisam desta informação para saber o risco que tens de contrair algumas doenças. Por exemplo, se usares tampões, tens maior probabilidade de vires a sofrer de síndrome de choque tóxico, uma doença causada por uma bactéria ( Straphyloccus Aureus). Por outro lado, se usares pensos higiénicos, não há essa preocupação.

6. Pedires para ser testada para ver se tens DSTs: Fazer esta pergunta não vai fazer com que pareces uma vadia ou promíscua. Todas as mulheres, aliás, deviam fazer estes testes, de vez em quando. Se tens medo de ter contraído alguma DST ou se simplesmente queres fazer, não tenhas vergonha de pedir.

7. Falar sobre as tuas dúvidas e preocupações: A coisa mais importante que deves fazer numa consulta de um ginecologista é falares sobre as tuas preocupações e tirar as tuas dúvidas. Não tenhas vergonha de admitir que tens falta de conhecimentos em alguns aspetos. Se estás preocupada com a irregularidade do teu ciclo menstrual, fala sobre isso. Se queres trocar de método contracetivo, diz. Pergunta aquilo que quiseres. Não há melhor lugar do que um consultório médico para esclarecer as tuas dúvidas ( e não ,o Drº Google não substitui idas ao médico). O teu ginecologista não está ali para te julgar. Afinal, é um especialista, e está ali para esclarecer-te sobre aquilo que quiseres. Se quiseres, aponta as tuas dúvidas num papel, para se ficares nervosa não te esqueceres daquilo que queres falar.


22 comentários:

  1. Isso pode ser tudo verdade, mas, para mim, só há uma razão para me sentir constrangida e nada tem a ver com o que mencionas: não gosto de andar a mostrar as miudezas a desconhecidos. Nem a conhecidos, ahah! N acho que seja uma coisa agradável, muito menos quando andam cá a mexer. Pouco me importa se o fazem todos os dias e se já viram de tudo, não me incomoda menos por isso :P

    ResponderEliminar
  2. Adorei o post... Muito útil... :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Muito boas dicas, sem dúvida.
    Eu gosto imenso da minha ginecologista, é super simpática e muito atenciosa. Conheço imensa gente que diz ter dores quando é examinada pelo(a) ginecologista, mas eu sinto-me bem por ela ser tão atenciosa, claro que é constrangedor estar ali com as pernas abertas e ter alguém a examinar uma zona tão sensível do meu corpo, mas gosto do à vontade com que ela me deixa.
    Quanto ao resto, não acrescentaria uma linha ao que disseste.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrgada :).
      Eu também me sinto à vontade com a minha. E ainda bem que assim o é. As consultas decorrem sempre melhor e é tudo mais fácil quando nos sentimos à vontade com os médicos. Sim, isso é sempre um pouco constrangedor, afinal estamos ali a expor a nossa intimidade.

      Eliminar
  4. acho mesmo bom que faças este tipo de posts. ainda há muitas coisas que são 'tabú' e não deveriam ser mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É por isso mesmo que eu faço este tipo de posts. Há muitas coisas que as pessoas ainda têm vergonha de falar por ser tabu.

      Eliminar
  5. É realmente um post muito importante. Continua a ser muito um assunto tabu e não devia. Antes pelo contrário!
    _Telma.

    ResponderEliminar
  6. Nunca fui a um ginecologista. Todos os exames que fiz foram através do meu médico de família através das consultas de planeamento familiar.
    Entretanto também já fiz uma ecografia endovaginal quando há dois anos me mudaram a pílula para um genérico e eu estava a fazer alergia. Eram dores terríveis.
    Também já fiz o exame da Sida, mas nunca de outras doenças. Contudo, fui submetida a uma cirurgia complexa recentemente e acredito que no hospital sejam obrigados a fazer esse tipo de exames e notificarem-nos se algo estiver mal. Ninguém me disse nada por isso suponho que esteja tudo bem.

    No entanto, quero mesmo marcar uma consulta com o ginecologista para fazer um rastreio completo. Já tenho 26 anos e não é que queira ser mãe agora, mas convém saber se está tudo bem comigo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O ideal seria todas as mulheres irem ao ginecologista uma vez por ano a partir dos 18 anos ou, pelo menos, quando iniciam a sua vida sexual. Mas isso não é propriamente culpa nossa, a culpa também é dos médicos que não reencaminham.
      Estavas a fazer alergia? Isso deve ter sido terrivel.
      Acho que fazes bem marcar, mesmo que não estejas com ptoblemas nem queiras ser mãe, convem saber se está tudo bem :).

      Eliminar
  7. Tudo muito bem, mas um reparo: como é evidente, o número de parceiros/parceiras sexuais não aumenta a probabilidade de contrair uma DST. O que aumenta a probabilidade de contrair uma doença desse tipo são os comportamentos de risco, claro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não propriamente. O preservativo não é 100 eficaz contra todas as DSTs. É eficaz contra a maioria mas, por exemplo, contra o HPV não é 100% eficaz. Claro que também têm se certas feitas muitas outras perguntas para avaliar a probabilidade de contrair DSTs como se já sabe quais os comportamentos de risco e se já teve, se sabe quais são os métodos contracetivos que protegem contra DSTs,..

      Eliminar
  8. Este post é tão real! Confesso que já pensei algumas destas coisas ahahah

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  9. Por acaso não sabia que se podia ir com a menstruação x) Mas mesmo assim, acho que não me sentia confortável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É como disse,os médicos estão habituados a ver de tudo, mas que é sempre um pouco desconfortável para nós é.

      Eliminar
  10. Gostei muito do post e das dicas, acho que muita gente se esquece que os médicos estão ali para nos ajudar.

    ResponderEliminar
  11. Nunca me perguntaram orientação sexual, número de parceiros nem se uso tampão ou penso... Quanto à menstruação se fores fazer papanicolau ou uma colposcopia de facto não podes ir menstruada por isso se esse for um dos objectivos da consulta aconselho a remarcar :D
    Concordo contigo quando dizes que o que for perguntado não é para te julgar mas será eventualmente para poder dar ajuda/opinião profissional.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas deveriam, é assim que se procede uma consulta corretamente. Sim, no caso desses exames mais vale remarcar :).
      Exato, muitas pessoas acham que os médicos lhes perguntam estas coisas para julgar mas na verdade não, é só porque são imprescindíveis para fazer um diagnóstico e disponibilizar ajuda.

      Eliminar
  12. Adorei as dicas e confesso que toda vez que marco Gine eu corro dos dias da menstruação e se chegar bater no dia eu desmarco sério não tenho coragem até porque eu me sinto mal e imagina os médicos ai pra mim não rola rsrsrsrsr o meu médico é um excelente profissional.

    Beijinhosss ;*
    Blog Resenhas da Pâm

    ResponderEliminar
  13. Eu gosto bastante da minha ginecologista. Gostei dela logo na primeira consulta e da forma como ela lidou comigo. Por azar tive uma urgência e tive que ir a outra médica que odiei. Acho que um ginecologista tem que ser, acima de tudo, humano. Tem que saber pôr as doentes à vontade. Se conseguirem isso então é meio caminho andado para correr tudo bem :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, uma ginecologista e os outros médicos de preferência. Se não souberem pôr os doentes à vontade, criam logo ali uma grande barreira que impede que se cria uma boa relação terapêutica.

      Eliminar